Tema de redação 20N21 e sugestões de leitura – alimentação saudável (Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp, UFU e demais vestibulares.)

Fonte da imagemhttps://drauziovarella.uol.com.br/infograficos/veja-como-montar-um-prato-ideal-infografico/

Estudos para o tema de redação 20N21

Palavras-chave – alimentação saudável, alimentação, segurança alimentar, saúde pública, doenças, promoção de saúde, desigualdade social, educação.

Texto 20T79

Texto 20T80

Texto 20T81

Texto 20T82

https://drauziovarella.uol.com.br/psiquiatria/obsessao-por-alimentos-saudaveis-pode-virar-doenca/

Tema de redação 20N21

Alimentação saudável

Textos de apoio para as situações A e B.

Texto 01.

“Nossa necessidade de trabalhar, estudar, cuidar da família, dar atenção aos amigos e ser multitarefa nos exigiu adaptação às rotinas mais desafiadoras. Um dia já não é mais suficiente para fazermos tudo… E nossa alimentação também sofreu com isso.

Sem tempo, começamos a deixar para comer mais tarde, a enganar a fome. Quantas vezes já nos flagramos reclamando de que temos que parar o que estamos fazendo para comer, como se isso fosse adiável.

Por isso é que a alimentação pode ser o ponto de partida para a busca de um equilíbrio para nossas vidas. É na escolha de um alimento que você estabelece o vínculo do que quer para você e para a sua família. Esse é um ato político que permite não só mudar drasticamente sua saúde, mas também contribui significativamente para que o planeta consiga manter o equilíbrio e continue fornecendo o que precisamos para viver.”

Fonte: https://saude.abril.com.br/blog/com-a-palavra/o-equilibrio-na-vida-comeca-com-a-alimentaca

Texto 02.

“Atualmente a má nutrição afeta pelo menos a metade da população global. No mundo, o comprometimento no desenvolvimento infantil afeta em torno de um quarto das crianças, enquanto cerca de um terço dos adultos está com sobrepeso ou, então, sofre de obesidade. A anemia também está afetando cerca de um terço das mulheres na idade fértil, e quase a metade das crianças em idade pré-escolar. A subnutrição infantil e a de suas mães constituem, quando consideradas em conjunto, as causas de quase a metade do total dos óbitos de crianças. Já o impacto econômico global provocado pela obesidade tem sido estimado, grosso modo, em dois trilhões de dólares, equivalentes a 2,8% do produto bruto global.

Para lidar com este problema, é essencial adotar-se uma abordagem multisetorial. A prioridade principal está em assegurar o crescimento ótimo de bebês e crianças, desde o nascimento até os dois anos, mas isso demanda que diversos setores façam esforços concentrados. O setor de saúde deve assegurar, mediante a melhora no cuidado pré-natal, a redução na proporção de nascimentos com baixo peso, assim como a melhora nas práticas de alimentação pós-parto. O setor de ensino deve assegurar a permanência de meninas adolescentes na escola até os dezoito anos, assim como o seu preparo para a maternidade, antes de deixar a escola. O setor agrícola deve proporcionar uma ajuda especial a mulheres que trabalham em fazendas, incentivando a produção de alimentos ricos em nutrientes, tanto para o consumo em casa, como para o mercado. A indústria alimentícia pode ajudar, enriquecendo os alimentos básicos com micronutrientes, e mediante a adoção de práticas de publicidade e marketing mais restritivas, e mais responsáveis. O setor de abastecimento d’água e de saneamento deve buscar, em especial, controlar as doenças diarreicas e gastrintestinais, principalmente das mães jovens e seus bebês. O setor de seguridade social deve, sempre que for viável, fazer a conexão de terminais para a transferência de dinheiro, principalmente para casas que abrigam famílias pobres e mães jovens, associado à promoção da educação, saúde e nutrição.

No entanto, lidar com o comprometimento do desenvolvimento nos primeiros mil dias de vida não é o bastante, levando-se em conta que ao longo do curso de vida é preciso empreender muitos esforços para se evitar o desenvolvimento da obesidade antes da idade adulta. Isso também demandará contribuições de diversos setores, mas o de educação deve assumir a liderança, permitindo que a formatura de crianças na escola venha acompanhada de qualificações adequadas para a vida e comportamentos apropriados que as ajudarão a evitar esses riscos de origem nutricional, na idade adulta. A garantia de qualificações adequadas para a vida depois da fase escolar pode ser facilitada mediante ambientes não obesígenos, que também demandam um apoio governamental, seja mediante a tributação, regulamentação e/ou subsídios. A garantia de que a atividade física venha a ser facilitada e disponibilizada sem dificuldade, e que o acesso a dietas de qualidade será financeiramente acessível, com extinção da publicidade que promove hábitos e produtos não saudáveis, vai muito além do domínio da mera ‘força de vontade’.”

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232015000802300&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Texto 03.

Veja como montar um prato ideal | Infográfico | Drauzio Varella ...

Fonte: www.drauziovarella.com.br

Proposta de redação 20N21A – dissertação – Fuvest, Vunesp, Uniube, Famema, Famerp, etc.

Faça uma dissertação argumentativa sobre as principais razões para que grande parte dos brasileiros tenha substituído refeições tradicionais e equilibradas por alimentos industrializados ou por genericamente o que se convencionou chamar de “fast food”.

Instruções para a dissertação da proposta de redação A:

  1. A situação de produção de uma dissertação argumentativa requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
  2. O tamanho da redação deverá ser adequado ao concurso pretendido, para tanto é importante que o texto deva ser adequado aos seguintes limites impostos pelas universidades até 2019: entre 20 e 30 linhas (Fuvest), 15 a 33 linhas (Vunesp), 25 e 30 linhas (Uniube), etc. Por isso, é imprescindível que a universidade pretendida seja informada com destaque logo após o código da proposta de redação na folha que será entregue para a correção. Do contrário, a correção levará em consideração a norma mais comum: 25 linhas como mínimo e 30 como máximo.
  3. Dê um título a sua redação.

Proposta de redação 20N21B – dissertação – Enem.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “O desafio de popularizar hábitos saudáveis de alimentação no Brasil.”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções para a dissertação no Enem:

  1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
  2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
  3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
  4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
  5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
  6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Texto (s) de apoio para as situações C e D.

“A permanência na alimentação do brasileiro de vários itens alimentares como feijão, preparações a base de feijão, milho e preparações a base de milho, batata doce, abóboras, cará, quiabo, ricos em micronutrientes como vitaminas e que contêm alto teor de fibra e baixo índice glicêmico, é um aspecto muito positivo. As fibras e o baixo índice glicêmico, que indica o aumento da glicemia no sangue após ingestão dos alimentos, são características muito favoráveis de uma alimentação, pois reduzem o colesterol e protegem quanto ao aparecimento de diabetes. Interessante que esses alimentos são mais consumidos nas faixas de menor renda e nas populações que vivem na área rural.

Os dados sobre consumo alimentar no Brasil são bem abrangentes, pois têm sido realizadas várias pesquisas de âmbito nacional que retratam a alimentação do brasileiro. O último inquérito realizado pelo IBGE, em parceria com o Ministério da Saúde, em 2008-2009, avaliou mais de 30.000 indivíduos de todas as regiões do país. Todos os indivíduos com 10 anos ou mais dos domicílios sorteados para a pesquisa preencheram dois dias de registro de todos os itens alimentares consumidos em casa ou fora de casa. Os dados desse inquérito permitiram distinguir as diferenças urbanas e rurais, por sexo, por faixa de idade e por regiões do Brasil. Nas áreas rurais, as médias de consumo per capita diário foram muito maiores para arroz, feijão, batata-doce, mandioca, farinha de mandioca, manga, tangerina e peixes. Em contraste, nas áreas urbanas, destacaram-se produtos processados e prontos para consumo como: pão, biscoitos recheados, sanduíches, salgados, pizzas, e também refrigerantes, sucos e cerveja, caracterizando uma dieta com alto teor energético.

Alimentos como doces, refrigerantes, pizzas e salgados fritos e assados são considerados menos saudáveis, pois sua ingestão leva a um grande consumo calórico. Além disso, esses alimentos apresentam baixo teor de vitaminas e minerais necessários como cálcio, ferro e outros. Destaca-se que o consumo desses alimentos cresce com o aumento da renda per capita da população e é mais expressivo entre os jovens. Por outro lado, o consumo de frutas e verduras, alimentos protetores para doenças como o câncer e as cardiopatias, se reduz muito nas faixas de menor renda e também entre os mais jovens.

Um aspecto muito negativo da alimentação no Brasil é o alto consumo de açúcar e alto consumo de sal. A pesquisa do IBGE mostrou que a proporção de indivíduos com ingestão de sódio acima do nível seguro foi de 89% entre os homens e de 70% entre as mulheres adultas. Os alimentos com a maior concentração de sódio são as carnes salgadas e as processadas – presuntos, salames, salsicha, mortadela etc. –, os queijos e os biscoitos salgados.

Entre os adolescentes destaca-se a alta frequência de consumo de biscoitos, linguiça, salsicha, mortadela, sanduíches e salgados e os valores per capita indicam um menor consumo de feijão, saladas e verduras.”

Fonte: http://www.firb.br/editora/index.php/interatividade/announcement/view/23

Proposta de redação 20N21C – outros gêneros – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva um relato sobre o primeiro dia de alguém que decide parar de comer alimentos industrializados.

Proposta de redação 20N21D – outros gêneros argumentativos – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva um artigo de opinião sobre as projeções e possibilidades quanto à saúde da maioria da população brasileira nos próximos 50 anos caso nada seja feito para alterar os padrões de consumo de alimentos processados industrialmente que são cada vez mais abrangentes no Brasil do século XXI.

Instruções para as propostas de redação C e D:

Leia com atenção todas as instruções.

  1. Você encontrará três situações para fazer sua redação. Leia as situações propostas até o fim e escolha a proposta com a qual você tenha maior afinidade.
  2. Após a escolha de um dos gêneros, assinale a opção no alto da Folha de Resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero.
  3. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
  4. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva no lugar da assinatura: JOSÉ ou JOSEFA.
  5. Em hipótese alguma, escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
  6. Utilize trechos dos textos motivadores, parafraseando-os.
  7. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.

ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Deixe uma resposta