Tema de redação 20MEV12 e sugestões de leitura – Cidades (Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp, Famema, Famerp, etc.)

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2015/10/serie-mostra-em-fotos-como-as-pessoas-de-1900-imaginavam-os-anos-2000-4863362.html


Estudos para o tema de redação 20MEV12

Palavras-chave – cidades, espaços urbanos, urbanismo, arquitetura, arquitetura hostil, mobilidade urbana, moradia, especulação imobiliária, gentrificação, favelização, periferia, desigualdade social, saneamento básico, humanização das cidades, futuro das cidades.

Texto 20T165

Texto 20T166

Texto 20T167

Tema de redação 20MEV12
Cidades

Texto 01

ALDEIA – “pequena aglomeração de casas”, do árabe ad-dayha, com o mesmo significado. Pode ser chamada também aldeola, aldeota, quando muito pequenininha.
POVOADO – tem o mesmo significado da anterior. Vem de povoar, de povo, do Latim populus, “povo”.
ARRAIAL – também designa um lugar muito pequeno. Viria do Árabe ar-rahya, “rebanho” e, por extensão, “plebe, gente, súditos”.
VILA – neste caso lidamos com um conjunto urbano maior do que uma aldeia ou povoado, mas que ainda não chega a cidade. É do Latim villa, “casa de campo, casa grande, quinta”.
CIDADE – do Latim civitas, originalmente “condição ou direitos de cidadão”, de cives, “homem que vive em cidade”. Muitas palavras derivam daqui, como civil, civilização, civismo, cidadania.
MUNICÍPIO – do Latim municipium, “pessoa de uma cidade livre”, de municeps, “cidadão livre, cidade livre”, de munus, “serviço feito pela comunidade, dever, trabalho”, mais a raiz de capere, “tomar, pegar, assumir”. Entre os romanos, designava uma cidade que tinha o particular privilégio de se governar por suas próprias leis. Atualmente, no Brasil, designa uma divisão do Estado.
ESTADO – do Latim status, “condição, situação”, de stare, “estar, ficar de pé”. A terminação de vários nomes de países como Afganistão, Paquistão, Turcomenistão tem a mesma origem.
DEPARTAMENTO – em alguns países, um departamento corresponde ao estado brasileiro. Deriva do Latim departire, “dividir, separar”, formado por de-, “de, a partir de”, mais partire, “separar em partes”, de pars, “parte, constituinte de algo”.
PROVÍNCIA – equivale também aos estados em alguns outros países. Vem do Latim provincia, “território sob o domínio romano”, dado como resultante de pro-, “à frente”, mais vincere, “vencer”.
PAÍS – do Latim pagus, “distrito rural”, originalmente “área demarcada”, relacionada com pangere, “apertar, colocar no lugar”, que veio do Indo-Europeu pag-, “colocar no lugar, unir, tornar firme”.
REINO – Do Latim regnum, “reinado”, a estrutura de poder dirigida por um rei, do Latim rex. E esta, por sua vez, é derivada do Indo-Europeu reg-, “mover-se em linha reta”, daí “dirigir, guiar, comandar, reger”.
IMPÉRIO – do Latim imperium, relacionado ao verbo imperare, “comandar”, formado por im-, “em”, mais parare, “ordenar, preparar”. Originalmente, imperator era o título dado a um general romano que detinha o imperium, que então designava o poder militar.
CONDADO – originalmente designava a terra dada por um soberano a um conde. E este título deriva do Latim comes, “servidor, companheiro”, formado por com-, “junto, com”, mais ire, “ir”.
COMARCA – do Latim comarca, de com, “junto”, mais marca, “fronteira, território delimitante, região adjacente a outro país ou soberania”. Administrar áreas nestas condições significava uma responsabilidade especial, o que fez surgir o título de marquês.
DISTRITO – Do L. districtus, “área de jurisdição”, particípio passado de distringere, “deter, impedir”, formado por dis-, “fora, contra”, mais stringere, ”unir fortemente, apertar firme”, de uma base Indo-Europeia strenk-, “apertado, estreito, torcido”.
TERRITÓRIO – no Brasil designa uma região que é administrada pela União, sem constituir um Estado. Vem do Latim terra, “terra”.
CONTINENTE – do Latim continere, “manter unido, abarcar, conservar”, verbo formado por com-, “junto”, mais tenere, “segurar”. Continente é aquilo que guarda, que retém ou contém alguma coisa. Daí o nome dado às grandes extensões de terra em que se divide nosso planeta.

Fonte: https://origemdapalavra.com.br/palavras/cidade/

Texto 02

“Após a pandemia, podemos ter até mesmo um fenômeno de êxodo urbano, com famílias buscando mais qualidade de vida no interior. Reportagem recente da publicação norte-americana Foreign Policy lembra que, após a pandemia da gripe espanhola, no início do século passado, a população de Manhattan diminuiu de 2,5 milhões em 1920 para 1,5 milhão em 1970 – com processos semelhantes em Londres e Paris.
‘Não devemos ver algo nas mesmas proporções por aqui, mas a circulação urbana deverá ser repensada para viagens mais curtas, no entorno dos bairros e com baixa emissão de carbono.
Assim, um benefício de longo prazo poderá ser boas infraestruturas nos subúrbios e periferias, e mais segurança e condições sanitárias melhores no centro. A micromobilidade, mais especificamente o uso da bicicleta, tem sido uma das medidas mais incentivadas pelas grandes cidades, por ser uma opção econômica – e segura – na realidade do novo coronavírus.
Bogotá (Colômbia), Vancouver (Canadá) e Berlim (Alemanha) são algumas das metrópoles que estão ampliando sua malha de ciclofaixas para facilitar viagens essenciais mais seguras e desafogar o transporte coletivo. Questões urgentes que têm sido discutidas aqui em São Paulo e outras capitais brasileiras.
Assim como no âmbito individual, em que cada unidade familiar precisará adequar sua rotina a esse novo normal, as administrações das cidades também precisarão levar em conta esses fatores de qualidade e torná-los acessíveis à população geral.
Desse modo, é necessária uma transformação para acomodar esses deslocamentos, aprimorando a infraestrutura nos bairros afastados e propiciando ambientes mais seguros e com melhores condições sanitárias no centro. Tais mudanças devem fazer parte da atuação do poder público e do investimento social privado nos próximos anos.”

Fonte: www.mobilidade.estadao.com.br/mobilidade-para-que/cidades-do-futuro-e-o-futuro-das-cidades

Texto 03

“A Rede Urbana é o conjunto articulado de cidades e grandes centros urbanos, que se integram em escalas mundial, regional e local por meio de fluxos de serviços, mercadorias, capitais, informações e recursos humanos. Essa rede estrutura-se por meio de uma hierarquia, em que as cidades menores costumam ser relativamente dependentes das cidades maiores e economicamente mais desenvolvidas.
O grau de integração de uma dada rede urbana de um país é um indicativo de seu nível de desenvolvimento. Em regiões economicamente mais dinâmicas, a tendência é uma maior interligação entre as suas diferentes cidades, geralmente mais adensadas e com uma melhor infraestrutura. Por outro lado, países considerados subdesenvolvidos apresentam uma integração limitada entre as suas cidades, apresentando uma organização territorial dispersa e pouco coesa.
A rede urbana expressa, dessa forma, a espacialização da divisão territorial do trabalho, em que cada cidade ou centro urbano exerce uma função complementar para o todo dessa rede. Diante disso, um sistema de transporte articulado e um sistema de informações avançado permitem um melhor funcionamento operacional.
A formação de redes urbanas pelo mundo não é uma novidade. Um exemplo foi a rede de cidades greco-romanas que perdurou até a Idade Média. Por outro lado, foi com o advento da Globalização e da Terceira Revolução Industrial que esse fenômeno alcançou uma escala mundial através da formação das chamadas cidades globais ou megalópoles.
Na economia financeira atual, a formação de cidades globais é algo crucial para o desenvolvimento de um dado país, pois são nessas cidades que se instalam os principais centros econômicos e onde a comunicação com os demais polos de desenvolvimento acontece. Forma-se, então, uma verdadeira rede de cidades globais, capazes de concentrar boa parte da população mundial e de garantir o funcionamento da economia globalizada. No mapa abaixo, podemos observar a distribuição dos principais polos econômicos do mundo na atualidade.”

Fonte: https://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/rede-urbana.htm

Proposta de redação 20MEV12A – dissertação – Fuvest, Vunesp, Uniube, Famema, Famerp, etc.

O poeta clássico Simônides escreveu que a cidade é a professora do homem, escreva um texto dissertativo sobre a razoabilidade desse aforismo. O que a cidade representa para a humanidade?

Instruções para a dissertação da proposta de redação A:
1. A situação de produção de uma dissertação argumentativa requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. O tamanho da redação deverá ser adequado ao concurso pretendido, para tanto é importante que o texto deva ser adequado aos seguintes limites impostos pelas universidades até 2019: entre 20 e 30 linhas (Fuvest), 15 a 33 linhas (Vunesp), 25 e 30 linhas (Uniube), etc. Por isso, é imprescindível que a universidade pretendida seja informada com destaque logo após o código da proposta de redação na folha que será entregue para a correção. Do contrário, a correção levará em consideração a norma mais comum: 25 linhas como mínimo e 30 como máximo.
3. Dê um título a sua redação.

Proposta de redação 20MEV12B – dissertação – Enem.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “A humanização das cidades brasileiras.”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções para a dissertação no Enem (proposta B):
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Proposta de redação 20MEV12C – outros gêneros – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva um manifesto sobre qual seria a cidade ideal ou utópica do futuro na sua perspectiva.

Instruções para as propostas de redação C:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação.
2. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: o que estiver expressamente informado no edital, no manual do candidato, etc., do vestibular pelo qual você se interessa, as quais são as fontes de informação mais confiáveis a respeito dessa questão. Em hipótese alguma, escreva seu nome, apelido, etc., na folha de prova. Na dúvida, melhor nunca assinar um texto de concurso. No caso da UFU, até 2019, exigia-se o uso de José ou Josefa como assinatura.
3. Via de regra, não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação. Ainda que, em alguns concursos, é importante estabelecer conexões entre as informações dos textos de apoio do tema de redação com o repertório cultural do candidato. No caso da UFU, é imprescindível parafrasear uma parte do texto motivador e inclui-la no texto escrito pelo candidato.
4.Nunca copie trechos dos textos motivadores.
5. Respeite o mínimo e o máximo de linhas associado à prova de redação para a qual você se prepara. Informe a universidade na folha de redação de forma legível no local destinado ao código da proposta. Contudo, normalmente, o mínimo usado é de 25 linhas e o máximo de 30, ou algo parecido na maioria dos concursos no Brasil.
5.1. UnB – máximo de 30 linhas. A quantidade de linhas escritas interfere na nota final. “No cálculo da nota da redação, quanto maior o número de linhas efetivamente escritas, maior a pontuação.”.
5.2. Unicamp – até 22 linhas em cada um dos dois textos.
5.3. UEL – de duas a quatro redações. 12 pontos cada. Números mínimos e máximos variados entre 8 e 16 linhas a depender do gênero textual exigido.
5.4. UFU – 25 a 36 linhas. Um de três temas possíveis.

Deixe uma resposta