Tema de redação 20MEV07 e sugestões de leitura – Drogas (Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp, Famema, Famerp, etc.)

Fonte: https://www.boredpanda.com/how-different-drugs-affect-you-artist-illustrations-art-brian-pollett/?utm_source=google&utm_medium=organic&utm_campaign=organic

Estudos para o tema de redação 20MEV07

Palavras-chave – drogas, entorpecentes, drogas lícitas, drogas ilícitas, legalização, descriminalização, redução de danos, vício, dependência química, preconceito, saúde pública, anticientificismo, capitalismo, economia.

Texto 20T152

Texto 20T153

Texto 20T154

Tema de redação 20MEV07
Drogas

Texto 01

“De janeiro a julho de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019, a apreensão de drogas no Brasil aumentou em mais de 200%, segundo dados do Departamento de Estatísticas da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Nos primeiros seis meses, foram apreendidas 316 toneladas de maconha e 14,6 toneladas de cocaína nas rodovias federais. O crescimento de drogas apreendidas é confirmado também pelo Departamento de Operações de Fronteira (DOF).
A Receita Federal do Brasil (RFB) apreendeu 27,8 toneladas de cocaína no primeiro semestre deste ano, 5,07% a mais do que em 2019. Cerca de 40% das apreensões de cocaína pela Receita ocorreram no Porto de Santos (SP), o maior da América Latina, que reteve 10,5 toneladas da droga. A RFB já havia registrado o recorde anual de apreensão de cocaína no ano passado, com 57,8 toneladas. O resultado foi 84% maior do que o apurado em 2018.
O fenômeno foi constatado ainda pelas forças de segurança estaduais e por outros países, como na Itália, que fez a maior apreensão de drogas sintéticas do mundo – 84 milhões de comprimidos. Em território nacional, no Paraná, fronteira com o Paraguai e Argentina, a segurança estadual apreendeu 128,3% mais drogas no primeiro semestre deste ano. Balanço da Secretaria da Segurança Pública do Paraná contabilizou 124,6 toneladas de cocaína, de maconha e de crack apreendidos. No mesmo período do ano passado foram 54,5 toneladas.”

Fonte: https://www.cnm.org.br/comunicacao/noticias/apreensao-de-drogas-no-brasil-aumentou-mais-de-200-de-janeiro-a-julho

Texto 02

“A Holanda é um dos principais produtores mundiais de drogas sintéticas, afirma Pieter Tops, cientista social da Universidade de Tilburg e professor da Academia de Polícia nacional. Tops pesquisa o crime organizado em seu país e investiga como ele vem ganhando aceitação em certos setores da sociedade – um fenômeno similar ao do México. Isso é, segundo ele, consequência da famosa tolerância holandesa a drogas leves, praticada desde o final da década de 1970.
Segundo sua tese, trata-se de uma consequência da política pública do consumo de drogas instaurada na Holanda, na época. “Acreditávamos que estávamos dando um exemplo ao mundo […], estivemos muito satisfeitos com ela por muito tempo, agora não mais”, explica Tops em sua provocadora conferência “Tráfico de drogas. O exemplo holandês. A legalização funciona?”, à qual assisti em novembro, em Barcelona.
Algo para que eu alertava há cinco anos, numa conferência em Amsterdã, se tornou uma terrível realidade de que pouco se fala, mas com que é possível se aprender muito: a máfia da droga pode permear tudo, se se abrem os espaços para ela.
Os conhecimentos e experiências compartilhados por Tops, baseando-se em informações de autoridades da Holanda, fazem pensar que o crime organizado não é um problema que só ocorre nos países em desenvolvimento, como o México, ou em nações em forte crise econômica, como a Espanha, mas também em países com um sistema político e econômico sólido, onde há garantias sociais e de Justiça. A Holanda descriminalizou o uso de drogas. E em sua política de saúde pública, os viciados não são vistos como criminosos, e sim como pacientes. As chamadas “drogas brandas”, derivadas da maconha, são semilegalizadas.”

Fonte: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/deutschewelle/2019/12/02/os-efeitos-colaterais-da-liberal-politica-de-drogas-holandesa.htm

Texto 03

“A atual política criminal de drogas, liderada estrategicamente pelos Estados Unidos, comprova o seu próprio fracasso, com a superpopulação carcerária e um processo crescente de criminalização da pobreza. (…)
Um outro aspecto relevante sobre o tema é o jurídico. Definitivamente, quem consome drogas não afeta a saúde de outrem, mas a sua própria (quando afeta…). Ora, em um Estado Democrático de Direito não é possível punir uma conduta que não atinja terceiros, razão pela qual não se pune a autolesão ou a tentativa de suicídio, estando tais condutas inseridas dentro da esfera de privacidade e de autonomia do sujeito, sendo, portanto, ilegítima a intervenção do Direito, seja para criminalizar, seja para tornar ilegal a produção, o consumo e o comércio das drogas.”

Fonte: https://jornalggn.com.br/artigos/drogas-por-que-nao-legalizar-por-romulo-de-andrade-moreira/

Proposta de redação 20MEV07A – dissertação – Fuvest, Vunesp, Uniube, Famema, Famerp, etc.

Escreva uma dissertação argumentativa sobre a descriminalização das drogas. Medida humanista a favor da sociedade? Irresponsabilidade estatal?

Instruções para a dissertação da proposta de redação A:
1. A situação de produção de uma dissertação argumentativa requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
2. O tamanho da redação deverá ser adequado ao concurso pretendido, para tanto é importante que o texto deva ser adequado aos seguintes limites impostos pelas universidades até 2019: entre 20 e 30 linhas (Fuvest), 15 a 33 linhas (Vunesp), 25 e 30 linhas (Uniube), etc. Por isso, é imprescindível que a universidade pretendida seja informada com destaque logo após o código da proposta de redação na folha que será entregue para a correção. Do contrário, a correção levará em consideração a norma mais comum: 25 linhas como mínimo e 30 como máximo.
3. Dê um título a sua redação.

Proposta de redação 20MEV07B – dissertação – Enem.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “O abuso de drogas na Contemporaneidade.”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções para a dissertação no Enem (proposta B):
1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Proposta de redação 20MEV07C – outros gêneros – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva um manifesto em que, como membro de uma organização de sua escolha, você defenda a política antidrogas atual do governo brasileiro ou proponha uma mudança na forma como as drogas são tratadas pelas leis e pelo Estado brasileiro.

Instruções para as propostas de redação C:
1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação.
2. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: o que estiver expressamente informado no edital, no manual do candidato, etc., do vestibular pelo qual você se interessa, as quais são as fontes de informação mais confiáveis a respeito dessa questão. Em hipótese alguma, escreva seu nome, apelido, etc., na folha de prova. Na dúvida, melhor nunca assinar um texto de concurso. No caso da UFU, até 2019, exigia-se o uso de José ou Josefa como assinatura.
3. Via de regra, não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação. Ainda que, em alguns concursos, é importante estabelecer conexões entre as informações dos textos de apoio do tema de redação com o repertório cultural do candidato. No caso da UFU, é imprescindível parafrasear uma parte do texto motivador e inclui-la no texto escrito pelo candidato.
4.Nunca copie trechos dos textos motivadores.
5. Respeite o mínimo e o máximo de linhas associado à prova de redação para a qual você se prepara. Informe a universidade na folha de redação de forma legível no local destinado ao código da proposta. Contudo, normalmente, o mínimo usado é de 25 linhas e o máximo de 30, ou algo parecido na maioria dos concursos no Brasil.
5.1. UnB – máximo de 30 linhas. A quantidade de linhas escritas interfere na nota final. “No cálculo da nota da redação, quanto maior o número de linhas efetivamente escritas, maior a pontuação.”.
5.2. Unicamp – até 22 linhas em cada um dos dois textos.
5.3. UEL – de duas a quatro redações. 12 pontos cada. Números mínimos e máximos variados entre 8 e 16 linhas a depender do gênero textual exigido.
5.4. UFU – 25 a 36 linhas. Um de três temas possíveis.

Deixe uma resposta