Redação – Tema 19N08 – educação domiciliar (Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp, UFU, Uniube e demais vestibulares.)

Tema de redação 19N08

Educação domiciliar

Texto 01.

“A Educação Domiciliar ocorre quando os pais assumem por completo o controle do processo global de educação dos filhos. Vamos explicar melhor: É senso comum que os pais são os responsáveis por educar os filhos em primeira instância. Desde que a educação escolar se tornou obrigatória, a nossa sociedade fez uma espécie de divisão de papéis. Os pais ou responsáveis deveriam ter a responsabilidade de ensinar valores, costumes, hábitos, moral e crenças, ou seja, eles fariam uma parte da educação dos filhos. A outra parte, que seria o que chamaremos aqui de educação acadêmica, ou instrução formal, ficaria a cargo de instituições próprias, que chamamos escolas.

Em outras palavras, os pais contratam ou delegam essa parte da educação dos filhos a profissionais que supostamente estariam mais capacitados para esse tipo de ensino, ou seja, os pais terceirizam essa parte da educação dos seus filhos.

Portanto, a Educação Domiciliar é uma modalidade de educação, na qual os principais direcionadores e responsáveis pelo processo de ensino-aprendizagem são os pais do educando (aluno).”

Fonte: https://www.aned.org.br/educacao-domiciliar/ed-sobre/ed-conceito

Texto 02.

“Cerca de 5.000 famílias brasileiras são praticantes do homeschooling (chamado também de educação domiciliar ou ensino doméstico).

A estimativa é da Associação Nacional de Educação Domiciliar (Aned). A prática teve início no Brasil nos anos 1990 e vem conquistando a cada ano mais adeptos. Na última pesquisa realizada pelo grupo, em 2016, o número de famílias adeptas era de 3.200.

Hoje, o Brasil não possui regulamentação sobre educação domiciliar. Por isso, quem deseja ensinar os filhos em casa precisa recorrer à Justiça para obter autorização, sem a certeza de que irá obtê-la.”

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/02/veja-perguntas-e-respostas-sobre-o-homeschooling-ou-educacao-domiciliar.shtml

Texto 03.

“Para opositores do homeschooling, sem o contato contínuo com colegas da escola, as crianças não aprendem a lidar com conflitos, concorrência e pressões sociais. Além disso, a sua visão de mundo ficaria limitada às ideologias dos pais.

Contrária à prática, a Advocacia-Geral da União (AGU) considera que a escola possibilita um aprendizado muito mais amplo do que o que os pais podem proporcionar em casa.

“A escola prepara o indivíduo para situações com as quais inevitavelmente haverá de conviver fora do seio familiar, além de qualificá-lo para o trabalho”, argumenta a AGU.

Outra crítica feita por aqueles que se opõem à educação domiciliar é a de que, sem a supervisão das autoridades, a qualidade do ensino e os temas tratados não podem ser garantidos.

Os defensores da prática, por sua vez, chamam atenção para estudos que mostram que os chamados homeschoolers obtêm melhores resultados em provas que alunos de escolas normais. Muitos pais usam a aprovação dos filhos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como prova da eficácia do ensino domiciliar.

A AGU destaca que a legislação brasileira determina que a educação deve ser oferecida de forma gratuita e obrigatória pelo Poder Público. Segundo a Lei de Diretrizes e Bases, é dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula dos menores, a partir dos seis anos de idade, no ensino fundamental.

Educação domiciliar pelo mundo

No plano internacional, o exemplo mais conhecido para a prática do homeschooling são os Estados Unidos, onde mais de 3% dos alunos recebem educação em casa. Outros exemplos são Canadá, Austrália e Reino Unido. Ao todo, são 63 países que permitem a prática de ensino domiciliar.

Na Alemanha, o Tribunal Constitucional Federal da Alemanha decidiu proibir a educação domiciliar em 2006. Segundo a decisão da corte, “é de justo interesse público contrariar a criação de ‘sociedades paralelas’ com motivações religiosas ou ideológicas e promover a integração de minorias”.”

Fonte https://www.terra.com.br/noticias/brasil/argumentos-a-favor-e-contra-o-ensino-domiciliar-no-brasil,9dbe444c308c507005762c808dfc5646mbvxc7gk.html

Proposta de redação 19N08A – Dissertação – Fuvest, Vunesp, Uniube, etc.

Faça uma dissertação sobre o seguinte posicionamento:

 

“Por convicção filosófica, sou mais favorável à autonomia e emancipação das pessoas do que do paternalismo do Estado. O fato de eu considerar o ensino domiciliar como compatível com a Constituição não significa que eu considere essa uma opção melhor ou pior. Esse juízo não é meu. Para os meus próprios filhos, eu optei por uma escolarização formal. Mas respeito quem opte por um caminho diferente”

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ao votar a favor do ensino domiciliar em processo do qual era relator e que acabou arquivado.

Fonte: https://novaescola.org.br/conteudo/14745/as-frases-mais-marcantes-da-educacao-em-2018

Instruções para a dissertação:

  1. A situação de produção de uma dissertação argumentativa requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
  2. O tamanho da redação deverá ser adequado ao concurso pretendido, para tanto é importante que o texto deva ser adequado aos seguintes limites impostos pelas universidades até 2018: entre 20 e 30 linhas (Fuvest), 15 a 33 linhas (Vunesp), 25 a 35 linhas (Uniube), etc. É imprescindível que a universidade pretendida seja informada com destaque logo após o código do tema de redação na folha que será entregue para a correção.
  3. Dê um título a sua redação.

Proposta de redação 19N08B – Outros gêneros – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Faça uma carta para um amigo que pretende educar seus filhos de forma domiciliar, sem que eles tenham acesso à educação formal.

Proposta de redação 19N08C – Artigo de opinião ou editorial- Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva um editorial sobre as implicações de o ensino domiciliar ser praticado de forma massiva em um país como o Brasil.

Proposta de redação 19N08D – carta argumentativa ou aberta – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Faça uma carta argumentativa para um membro do governo federal que julgar pertinente com o seu posicionamento a respeito do ensino domiciliar.

Instruções gerais:

  1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação.
  2. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: o que estiver expressamente informado no edital, no manual do candidato, etc., do vestibular pelo qual você se interessa, que são as fontes de informação mais confiáveis a respeito dessa questão. Em hipótese alguma, escreva seu nome, apelido, etc., na folha de prova. Na dúvida, melhor nunca assinar um texto de concurso.
  3. Via de regra, não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação. Ainda que, em alguns concursos, é importante estabelecer conexões entre as informações dos textos de apoio do tema de redação com o repertório cultural do candidato.
  4. Respeite o mínimo e o máximo de linhas associado à prova de redação para a qual você se prepara. Informe a universidade na folha de redação de forma legível no local destinado ao código da proposta. Contudo, normalmente, o mínimo usado é de 25 linhas e o máximo de 30, ou algo parecido na maioria dos concursos no Brasil.

4.1. UnB – máximo de 30 linhas. A quantidade de linhas escritas interfere na nota final. “No cálculo da nota da redação, quanto maior o número de linhas efetivamente escritas, maior a pontuação.”.

4.2. Unicamp – até 22 linhas em cada um dos dois textos.

4.3. UEL – de duas a quatro redações. 12 pontos cada. Números mínimos e máximos variados entre 8 e 16 linhas a depender do gênero textual exigido.

4.4. UFU – 25 a 36 linhas. Um de três temas possíveis.

Instruções UFU:

Leia com atenção todas as instruções.

  1. Você encontrará três situações para fazer sua redação. Leia as situações propostas até o fim e escolha a proposta com a qual você tenha maior afinidade.
  2. Após a escolha de um dos gêneros, assinale a opção no alto da Folha de Resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero.
  3. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
  4. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva no lugar da assinatura: JOSÉ ou JOSEFA.
  5. Em hipótese alguma, escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
  6. Utilize trechos dos textos motivadores, parafraseando-os.
  7. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.

ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Proposta de redação 19N08E – Dissertação -Enem.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Como a família pode contribuir para melhorar a qualidade da educação recebida por crianças e jovens no Brasil?”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:

  1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
  2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
  3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
  4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
  5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
  6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Deixe uma resposta