16 temas – Tema de redação 19E8 e sugestões de leitura – drogas (Enem, Fuvest, Vunesp, Unicamp e demais vestibulares.)

Estudos para o tema de redação 19E08

Palavras-chave

Drogas, entorpecentes, tráfico, drogas lícitas, abuso, adição, crime, saúde pública.

Texto 19E-36

https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2019/06/relatrio-mundial-sobre-drogas-2019_-35-milhes-de-pessoas-em-todo-o-mundo-sofrem-de-transtornos-por-uso-de-drogas–enquanto-apenas-1-em-cada-7-pessoas-recebe-tratamento.html

Texto 19E-37

Texto 19E-38

Tema de redação 19E08

Drogas

Texto 01.

“Pelo mesmo motivo que gostamos de comer, de sexo e de exercício físico. Nosso organismo, não por acaso, é particularmente sensível às sensações de prazer, e nosso cérebro foi configurado para sempre querer mais do que é gostoso. O que não parece nada mau, não é? O problema foi que o feitiço virou contra o feiticeiro quando as drogas e seus efeitos colaterais deram as caras.

Essa “configuração cerebral” é chamada de sistema de recompensas e foi muito importante para nossa sobrevivência ao longo dos séculos. Quando nossos ancestrais faziam sexo, era gostoso, e o cérebro os estimulava a fazer mais daquilo. Mais sexo é igual a mais oportunidades de reprodução, a mais descendentes e a mais chances de sobrevivência para a espécie como um todo. Quando eles comiam, esse sistema os estimulava a comer mais. Mais comida é mais saúde e maior resistência a doenças e acidentes. E, na natureza, comida é algo escasso. O prazer, então, é só um suborno para continuar praticando o que faz bem.

Esse estímulo na verdade é uma substância chamada de endorfina, que tem o adequado apelido de “hormônio do prazer”. Esse processo todo é bastante primitivo biologicamente e pode ser encontrado mesmo em espécies bem menos complexas que um ser humano, tal como os insetos.

As drogas que viciam agem exatamente nesse mecanismo do cérebro para nos fazer cair na armadilha dos entorpecentes. Elas alteram a função do sistema de recompensas, fazendo o organismo parar de se preocupar com o próprio bem-estar e só dar atenção à alimentação do vício. Todas as fontes de prazer deixam de ter a mesma importância e só o consumo do entorpecente passa a ser agradável e desejável. Quem não entende a dificuldade que um dependente tem de abandonar o seu vício pode imaginar o seguinte: o quanto você sofre quando fica sem comida? Se estivesse morrendo de fome, o que seria capaz de fazer por comida? É uma sensação parecida com o que a ausência da droga causa em quem está viciado.

Fonte: https://super.abril.com.br/saude/por-que-gostamos-tanto-de-drogas/

Texto 02.

“Os primeiros registros de consumo de drogas datam de 4.800 anos atrás: inscrições da Suméria relacionam o ópio aos símbolos que significam “alegria”. A maconha também é milenar – acompanha rituais religiosos desde pelo menos o terceiro milênio antes de Cristo, nos atuais Leste Europeu, Oriente Médio, Índia e China. Mais adiante, por volta de 1000 a.C., os antigos egípcios também aderiram. Isso para não falar do campeão absoluto de todas as drogas, o álcool, consumido de forma recreativa desde 10 mil anos atrás, na época da invenção da agricultura – se não ainda antes, porque até os animais costumam se interessar por frutas fermentadas (e alcoólicas), e talvez nossos ancestrais tenham se interessado também.

Seu uso foi totalmente banido no Islã no século 7, após alguns reveses em batalhas do exército do Profeta serem atribuídos à intoxicação dos soldados. Ainda assim, a aplicação da regra foi por vezes bem frouxa. Tanto que certos países islâmicos têm até mesmo drinques nacionais, como o raki da Turquia ou o arak do Levante. Em tese, eram bebidos só por cristãos e judeus. Mas os sultões otomanos eram famosos por darem suas bicadas.

O tabaco surgiu na América. Há indícios de seu cultivo até em 1500 a.C., nos Andes, se espalhando daí para todo o continente. Quando chegou à Europa, foi muito bem recebido. Mas, em diferentes países, em diferentes épocas, seu consumo foi proibido. Já em 1575 foi barrado dentro das igrejas no México, com a regra universalizada pelo papa Urbano VII em 1590.

No Império Otomano, fumar chegou a ter punição com pena de morte em 1633, mas a lei seria abolida. O café foi domesticado na Etiópia no século 11, chegando à Europa através dos árabes, que o adotaram no século 15. A cafeína, que ainda hoje é oficialmente considerada uma droga pela Organização Mundial da Saúde, foi proibida no mundo islâmico – em 1511, autoridades religiosas de Meca alegaram ser um análogo do álcool. Sem sucesso, ele chegaria ao mundo cristão através dos Cavaleiros de Malta, que em 1575 descobriram a bebida com escravos turcos recém-capturados.”

Fonte: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/a-historia-do-narcotrafico.phtml

Proposta de redação 19E08A – Dissertação – Fuvest, Vunesp, Uniube, etc.

Escreva uma dissertação sobre a viabilidade de haver uma mudança legal que descriminalize o uso de todas as drogas no Brasil.

Instruções para a dissertação:

  1. A situação de produção de uma dissertação argumentativa requer o uso da norma padrão da língua portuguesa.
  2. O tamanho da redação deverá ser adequado ao concurso pretendido, para tanto é importante que o texto deva ser adequado aos seguintes limites impostos pelas universidades até 2018: entre 20 e 30 linhas (Fuvest), 15 a 33 linhas (Vunesp), 25 e 35 linhas (Uniube), etc. É imprescindível que a universidade pretendida seja informada com destaque logo após o código da proposta de redação na folha que será entregue para a correção.
  3. Dê um título a sua redação.

Proposta de redação 19E08B – Outros gêneros – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Escreva uma crônica sobre os aspectos culturais associados ao abuso de drogas no Brasil.

Proposta de redação 19E08C – Artigo de opinião ou editorial- Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Faça um artigo de opinião sobre o uso ilícito de drogas lícitas no Brasil.

Proposta de redação 19E08D – carta argumentativa ou aberta – Unicamp, UEL, UnB, UFU, etc.

Faça uma carta argumentativa para um diretor de uma escola de sua preferência para sugerir maneiras de prevenir o abuso de drogas entre os alunos.

Instruções gerais:

  1. Se for o caso do gênero textual em questão, dê um título para sua redação.
  2. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva, no lugar da assinatura: o que estiver expressamente informado no edital, no manual do candidato, etc., do vestibular pelo qual você se interessa, que são as fontes de informação mais confiáveis a respeito dessa questão. Em hipótese alguma, escreva seu nome, apelido, etc., na folha de prova. Na dúvida, melhor nunca assinar um texto de concurso.
  3. Via de regra, não copie trechos dos textos motivadores ao fazer sua redação. Ainda que, em alguns concursos, é importante estabelecer conexões entre as informações dos textos de apoio do tema de redação com o repertório cultural do candidato.
  4. Respeite o mínimo e o máximo de linhas associado à prova de redação para a qual você se prepara. Informe a universidade na folha de redação de forma legível no local destinado ao código da proposta. Contudo, normalmente, o mínimo usado é de 25 linhas e o máximo de 30, ou algo parecido na maioria dos concursos no Brasil.

4.1. UnB – máximo de 30 linhas. A quantidade de linhas escritas interfere na nota final. “No cálculo da nota da redação, quanto maior o número de linhas efetivamente escritas, maior a pontuação.”.

4.2. Unicamp – até 22 linhas em cada um dos dois textos.

4.3. UEL – de duas a quatro redações. 12 pontos cada. Números mínimos e máximos variados entre 8 e 16 linhas a depender do gênero textual exigido.

4.4. UFU – 25 a 36 linhas. Um de três temas possíveis.

Instruções UFU:

Leia com atenção todas as instruções.

  1. Você encontrará três situações para fazer sua redação. Leia as situações propostas até o fim e escolha a proposta com a qual você tenha maior afinidade.
  2. Após a escolha de um dos gêneros, assinale a opção no alto da Folha de Resposta e, ao redigir seu texto, obedeça às normas do gênero.
  3. Se for o caso, dê um título para sua redação. Esse título deverá deixar claro o aspecto da situação escolhida que você pretende abordar.
  4. Se a estrutura do gênero selecionado exigir assinatura, escreva no lugar da assinatura: JOSÉ ou JOSEFA.
  5. Em hipótese alguma, escreva seu nome, pseudônimo, apelido, etc. na folha de prova.
  6. Utilize trechos dos textos motivadores, parafraseando-os.
  7. Não copie trechos dos textos motivadores, ao fazer sua redação.
  8. ATENÇÃO: se você não seguir as instruções da orientação geral e as relativas ao tema que escolheu, sua redação será penalizada.

Proposta de redação 19E08E – Dissertação -Enem.

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “O abuso de drogas no Brasil.”, apresentando proposta de intervenção, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Instruções Enem:

  1. O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
  2. O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
  3. A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
  4. A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.
  5. A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.
  6. A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

Deixe uma resposta